sábado, 23 de maio de 2009

MONTEZ MAGNO

EPILEPOESIA



No álamo, no páramo
e nas proximidades do terceiro ventríloco
e do sulco que os separa,
acham-se importantes núcleos do sistema.
Aí se encontram
os centros térmicos do sonho.
Ao lado deles, os centros voluntários,
cuja artificial mecânica
provoca atividades em várias regiões,
surgindo assim as descargas elétricas
e as visões oníricas, poéticas.









CINCO MOMENTOS DE UM PÁSSARO NOTURNO
a San Juan de la Cruz



Cinco momentos cobrem sua exatidão:
primeiro há de vir sereno na passagem,
pois o que é brusco perde a espontaneidade;
em seguida se instala intacto e atento,
os olhos repetindo sinais de sua presença;
logo abarca o mundo mas não anuncia;
só então se lança em vôo que subverte
as dimensões do dia, recolhe a aparência
Por fim alterna a sombra em luz, mas não revela
que o pouso foi completo. Incólume, se retira


Poemas extraídos do livro Narkosis, 2º edição ampliada, Olinda - 1981

3 comentários:

adelaide amorim disse...

Bacana, Flávio, não conhecia.
Boa semana pra você.

Flávio Corrêa de Mello disse...

Oi Adelaide,

Adquiri um livro do MOntez Magno, o Narkosis, muito bom. Pelos poemas expostos acima, já dá para perceber que a dicção dele é bacana. Vale muito dar uma pesquisada na net. Além de poeta, ele é artista plástico.
obrigado pela visita

itamar disse...

Sou pesquisador da obra de Montez Magno, um dos mais importantes pintores de Pernambuco, com participaçoes em Bienais de S.Paulo e do exterior.Apesar da vasta produçao nessa area, ele prefere ser chamado de poeta.Tem mais de uma dezena de livros publicados que, em certos casos, dialogam com sua vertente de pintor.
Fico a disposiçao dos interessados em obter mais informaçoes.
itamar_morgado@hotmail.com